Saiba mais sobre a camisinha da mulher

De acordo com uma pesquisa do Ministério da Saúde feita em 2008, 90% das mulheres brasileiras sexualmente ativas conhecem ou já ouviram falar sobre a camisinha da mulher.

Você faz parte dos 90% ou dos 10%?

Ouvir falar.

— Amiga, você sabia que inventaram a camisinha da mulher?
— Não, não sabia.
—Então, inventaram.

Pronto, isso já é suficiente para essa pessoa fazer parte dos 90%? Não é isso que a declaração acima dá a entender? Aliás, não informaram a fonte da tal pesquisa, nem os parâmetros da pesquisa, o público entrevistado, nem nada. Mas estou querendo demais. O objetivo da notícia era informar que o Brasil vai distribuir 20 milhões dessas camisinhas de graça. Sim caro leitor: 20 milhões! Confesso fazer parte dos 10%.

A notícia acima dá a entender que esse negócio é valioso na proteção contra doenças sexualmente transmissíveis (DST), mas não dá detalhes sobre o produto. Não me contento com informação superficial. Então só me resta pesquisar. Afinal são 20 milhões de unidades!!!!

Conhecer.

O básico dessa tal camisinha da mulher todo mundo é capaz de imaginar. Dizem os defensores de seu uso que a mulher passa a ter o controle sobre a proteção de seu corpo contra as tais DSTs, gravidez indesejada, etc, uma vez que não depende mais de convencer o parceiro de transa a fazer uso do preservativo masculino… UAU, não consigo imaginar… 20 MILHÕES!!!

Não vou entrar no mérito da questão moral sobre o uso desses artifícios. A minha preocupação aqui é com o outro lado da moeda (continue lendo que eu chego lá). Para mim, uma notícia deveria informar com “i” maiúsculo. Dizer que o país vai distribuir esse número exorbitante de preservativos, que esses preservativos protegem contra DST’s, e que esse preservativo é popular (pelo menos 90% já ouviu falar) entre o público  destinatário parece ser uma coisa boa, não parece? Um VIVA para o Ministério da Saúde!!!! Uhuuuu. …20 milhões de transas protegidas pelo ministro. Tenha sempre em mente que isso faz parte supostamente da campanha de proteção contra o virus HIV.

O que não disseram

De acordo com a Mayo Clinic (um dos principais centros de pesquisa e tratamento médico sem fins lucrativos) estima-se que 21% das mulheres que fazem uso deste artifício ficam grávidas no primeiro ano. Não dá para comparar essa estatística com a outra, pois não sabemos, mais uma vez, quem foi o público alvo para chegar-se a esta estimativa. Porém, um dado importante que eles informam é que a camisinha da mulher tem uma taxa maior de falha do que a camisinha masculina. Ou seja, deixando de lado o fato de que a camisinha masculina também é falha, mesmo assim, só no ano passado foram distribuídas GRATUITAMENTE pelo governo brasileiro 493 MILHÕES de preservativos masculinos. Faça as contas de quantas transas nosso ministro da saúde está protegendo anualmente gratuitamente.

Mas nosso foco é a camisinha da mulher. O site da Mayo Clinic informa ainda que não haverá proteção se ela: furar ou rasgar, sair do lugar ou para fora ou para dentro, ou se for empurrada para o lado. Ah, difícil de acontecer isso, né, afinal precisaria de muita fricção para isso acontecer… desculpem-me o sarcasmo.

O que você acha? …20 milhões de unidades. Isso tem cara de proteção para você?

Ministério da Saúde

A notícia nos informa que governo brasileiro, através do Ministério da Saúde, vai distribuir a partir do mês de maio, 20 milhões de camisinhas femininas grátis, e sua maioria vai para a população em risco de contrair DST’s:
prostitutas
profissionais do sexo,
vítimas de violência doméstica: é, a mulher vai andar o dia inteiro com aquilo ali naquele lugar… vai que né, de repente alguém da casa resolve atacá-la,
viciadas em droga: vai que a mulher quer se drogar mas tem medo de ser vítima de ataque sexual, melhor prevenir, afinal já distribuem seringas descartáveis grátis,
e mulheres que vivem com portadores do vírus HIV: deve ser mesmo bastante constragedor o sujeito, além de ser portador do virus, ainda por cima ter que usar um preservativo para proteger sua parceira que ele tanto ama.

E afinal, é mais fácil o governo dar camisinha do que educar essas mulheres a viver uma vida mais digna, ou então eu é que estou desatualizada e camisinha também dá dignidade. Tem algo errado com esse cenário, ou sou eu que não estou raciocinando direito? Caramba!!! …20 milhões

O valor da conta

20 milhões de camisinhas grátis. Isso não cai do céu, não é criado ex-nihilo certo? … tem matéria prima, mão de obra, equipamentos, despesa com embalagem, transporte. Isso custa. Custa quanto? A pequena bagatela de 27.3 milhões de Reais.

Aos românticos e idealistas, sinto informar que tudo que o governo faz custa alguma coisa. Nada sai de graça. De onde o governo tira dinheiro para pagar a conta? Dos impostos que o cidadão paga. Mas e quando o governo não paga a conta? O governo dá algo em troca para quem está pagando a conta. O que exatamente? Difícil saber.

Quem paga essa conta?

Em dezembro de 2011 noticiou-se que o fabricante dessa camisinha da mulher recebera uma encomenda do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) de 20 milhões de camisinhas para serem entregues ao Brasil no ano fiscal de 2012. Essa entrega começaria a partir de março.

Mas se foi a ONU que fez a encomenda supõe-se que a ONU é quem paga a conta. Mas e o dinheiro da ONU vem de onde? Dos países membros. E o dinheiro dos países membros vem de onde? Da arrecadação dos impostos. E os impostos que é que paga? Você cidadão cumpridor dos seus deveres.

Mas e se empresas privadas fizerem doações monetárias? Ok, o dinheiro delas vem de onde? Do produto/serviço que elas comercializaram. Quem pagou por esse serviço/produto? A-d-i-v-i-n-h-a?

Resta saber se você está contente em financiar a proteção(?) gratuita da transa alheia.

O outro lado da moeda. Grátis?

Podemos ficar aqui fazendo quantos exercícios quisermos de suposições e cenários. A verdade é que é muito difícil para a pessoa comum saber e conhecer todas as artimanhas, negócios e afins que acontecem a portas fechadas. O que podemos e devemos é usar nossa inteligência e raciocínio crítico diante de notícias como essa.

Assim, numa outra notícia correlata, o fabricante americano da camisinha da mulher informa que seu distribuidor EXCLUSIVO no Brasil (Semina Indústria e Comércio) ganhou a licitação pública para fornecer esses 20 milhões de camisinhas ao ministério da saúde. De forma que fabricante e distribuidor fizeram um acordo de construir uma fábrica no Brasil se o consumo de camisinha da mulher continuar a crescer de forma significativa a ponto de alcançar uma média de … adivinha? … 20 milhões de unidades anualmente.

A conclusão, meu caros, eu deixo a cargo de vocês.

Leia também:
Dólares comprando consciências

Starbucks apóia “Casamento Gay”
Ford Foundation: de gravidezes a crucifixos indesejados

Anúncios