Ideologia: cadeia ou igreja?

Não vejo possibilidade num futuro próximo de eu poder entender a ideologia dos progressistas, ou seria ódio de religião? Entre cadeia ou igreja, preferem a cadeia.

O juiz de uma cidade do estado de Alabama decidiu implantar na cidade aquilo que chamam de operação “Restore Our Community” (ROC), que visa restaurar a comunidade local.

Em poucas palavras, trata-se de um programa em que réus primários de crimes não violentos agora passam a ter a opção de cumprir a sentença na cadeia ou passar um ano indo à igreja todo domingo. A notícia em inglês pode ser lida aqui.

56 comunidades religiosas se inscreveram no programa. Fiz uma pesquisa rápida na internet e só consegui encontrar duas paróquias católicas locais, numa área predominantemente evangélica, mas não descobri se elas vão participar do programa.

Na entrevista, um pastor dessas comunidades evangélicas diz: “mostre-me alguém que tenha se apaixonado por Jesus e eu te mostro uma pessoa que não será um problema para a sociedade, mas que será uma influência e que ajudará as pessoas ao seu redor“.

Caberia aqui uma discussão à parte sobre a eficiência desse trabalho por parte da Igreja. Poderíamos discutir por exemplo, se isso acontecesse no Brasil, quais as chances de um criminoso, mesmo que seja um trombadinha de uma favela brasileira qualquer, optar por ir à missa ao invés da cadeia, e se no final de um ano ele sairia de lá convertido e abandonaria a criminalidade.

Mas o foco desse artigo é outro.

Seria de se pensar que qualquer ser humano com mais de dois neurônios no cérebro apoiaria a iniciativa desse juiz. Afinal, o bandidinho não seria obrigado a conviver com outros marginaizinhos, e não seria influenciado por mais criminalidade. Não sei, não sou socióloga e a realidade do estado do Alabama provavelmente não pode ser comparada com a realidade, sei lá, de Recife ou do Rio de Janeiro.

Acontece porém, que a ONG americana ACLU está ameaçando a operação, exigindo que ela nem comece, pois supostamente, viola a constituição, i.e., o Estado não pode obrigar ninguém a frequentar uma religião e que se a opção é ir pra cadeia ou ir pra igreja, que a escolha, segundo eles, passa a ser inexistente.

Vale dizer que essa ONG é a mesma que fez com que vários orfanatos católicos fossem fechados porque eles não aceitam a opção da Igreja não oferecer a adoção por “casais” de mesmo sexo. Então, na iluminada cabeça dessas pessoas é melhor que as crianças fiquem também sem serem adotadas por um lar católico.

E agora, com relação aos réus primários do Alabama, na ideologia lá deles, querem que o juiz substitiua a igreja por algo que nem remotamente esteja associado à religião, caso contrário, escolhem a cadeia para esses infelizes.

Só Chesterton pra explicar uma coisa dessas: não é que o ideal cristão tenha sido experimentado e considerado insuficiente. Acharam-no difícil, e por isso não o experimentaram.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s