O significado de tolerância

Tolerância: uma palavra bastante em moda. Ela é equiparada à “mente aberta” e vem acompanhada de respeito humano. 

Voltaire (1694-1778), quando escreveu sobre tolerância, disse que já que somos todos cheios de fraquezas e de erros, devemos perdoar mutuamente as nossas obscenidades; que essa é a primeira lei da natureza.

Mas o que é tolerância?

Como Voltaire queria destruir o cristianismo, prefiro refletir sobre o “Apelo à intolerância” do arcebispo Fulton Sheen.

Fulton Sheen fala de três elementos responsáveis pela confusão que se faz a respeito do termo tolerância: (1) existe uma tendência em se resolver questões através de palavras e não de argumentos, (2) uma disposição desqualificada em se aceitar a autoridade de qualquer um no assunto religião, (3) paixão pelo novo. Mas não há nada novo debaixo do sol. Sigamos:

Tem muito pregador moderno muito menos preocupado em pregar Cristo, e Cristo crucificado do que com sua popularidade entre seus seguidores. Uma falta de determinação intelectual faz com que ele suba no boi da verdade e no burro da insensatez, elogiando os católicos por causa de sua “excelente organização” e os sexólogos por causa de seu “desafio honesto aos jovens desta geração”. Porque dobram-se à multidão e agradam o homem ao invés de Deus, provavelmente sentiriam escrúpulos de um dia fazerem o papel de João Batista diante de um Heródes moderno.

Diante dessa falsa tolerância, o que o mundo precisa é de intolerância. A massa do povo parece ter perdido completamente a capacidade de distinguir entre bom e mau, certo e errado. A melhor indicação disso é essa distorção dos termos “tolerância” e “intolerância”.

Existem uns que acreditam que a intolerância é sempre ruim, porque eles fazem a “intolerância” significar ódio, preconceito, intransigência. Estas mesmas cabeças acreditam que tolerância é sempre bom porque, para eles, significa caridade, abertura mental, bondade. O que é tolerância?

Tolerância é uma atitude de paciência racional para com o mal, e uma atitude de indulgência que coibe um ato de ira ou de castigo. Mas mais importante do que a definição é o campo de aplicação. O ponto importante aqui é que:

A tolerância se aplica somente às pessoas, mas jamais à verdade.

A intolerância se aplica somente à verdade, mas jamais às pessoas.

A tolerância se aplica aos que erram; a intolerância ao erro.

É claro que é preferível uma maior tolerância, pois nunca é demais mostrar caridade para com as pessoas que discordam de nós. Assim, deve-se ter caridade para com as pessoas.

A tolerância vai só até aqui.

A tolerância não se aplica à verdade ou aos princípios. Para com essas coisas devemos ser intolerantes, e é para este tipo de intolerância, tão necessária para nos arrancar da corrente do sentimentalismo, que eu apelo. Intolerância desse tipo é a base da estabilidade.

Alto lá! O que ele quer dizer com intolerância?

A Corte Suprema dos Estados Unidos é intolerante a respeito de qualquer interpretação privada do primeiro princípio da Constituição que diz que todo homem tem o direito à vida, liberdade, e busca da felicidade. O cidadão que interpretar que “liberdade” significa “seguir em frente” quando o semáforo está com a luz vermelha acesa, vai se achar logo numa cela de prisão onde não existe luz alguma, nem mesmo amarela que é a cor das almas mornas que não sabem se devem ir ou ficar.

Os arquitetos são intolerantes quanto ao uso da areia como alicerce para arranha-céus tanto quanto os médicos são intolerantes quanto à presença de germes em seus laboratórios, e todos nós somos intolerantes para com um certo tipo de mente-aberta, “tolerante”, do quitandeiro bonachão que, ao calcular a nossa dívida, faz sete mais dez virar vinte.

Muito justo essa intolerância. Quem mora em prédio de apartamentos tem fé que a construção não vai desmoronar de uma hora para outra justamente por causa dos princípios da engenharia. Da mesma forma, quem viaja na ponte Rio-Niterói tem fé que não vai acabar no fundo do mar. Continuando:

Agora, se é certo que os Estados sejam intolerantes acerca dos princípios do governo, e o construtor de pontes seja intolerante acerca das leis de deformação e pressão, e o físico a respeito dos princípios da gravidade, por que não seria um direito de Cristo, de Sua Igreja, e dos homens pensantes de serem intolerantes quanto às leis de Cristo, as doutrinas da Igreja, e os princípios da razão? Podem as verdades de Deus serem menos exatas do que as verdades da matemática? Podem as leis do raciocinio serem menos obrigatórias do que as leis da ciência, que só são conhecidas através das leis do raciocínio?

Devemos dizer que os raios do sol aquecem mas que o sol não é quente?

O que devemos fazer?

Deve condenar-se toda a palavra ou atitude que, por lisonja, adulação ou complacência, estimula e confirma outrem na malícia dos seus actos e na perversidade da sua conduta.” (Catecismo da Igreja Católica)

A tolerância se aplica aos que erram; a intolerância ao erro.

E por falar em tolerância, “mente aberta”, quem é esse tal de Frei Gilvander?

Você poderá gostar também de:
Cidadania e consciência, os acontecimentos ao redor do PLC 122
Em cima do muro: pe. Fabio de Melo comenta o PLC 122
Carta da Congregação para a Doutrina da Fé

Anúncios

Uma resposta em “O significado de tolerância

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s