CNBB: Sujeito oculto oculto

Se não fosse a Igreja, a Ficha Limpa não teria tantas assinaturas. Gostaríamos de fazer um pouco de pressão agora”, disse Dom Steiner.

Segundo a Folha.com, Dom Steiner se refere à um abaixo-assinado, que estaria “supostamente” sendo apoiado pela CNBB. O objetivo seria recolher assinaturas contra o texto do Código Florestal.

Digo “supostamente” porque não tenho certeza, e quando a Imprensa menciona a CNBB nem sempre se trata da CNBB.

Continua a reportagem: Continuar lendo

Anúncios

Centro Brasileiro da JMJ em Madri

Em uma inicitativa das instuições americanas dos Cavaleiros de Colombo  e das Irmãs da Vida, os jovens participantes da Jornada Mundial da Juventude de língua inglesa poderão se encontrar em um local próprio em Madri durante o evento.

Chamado Centro de Amor e Vida para os Peregrinos da Língua Inglesa, e localizado no Palacio de Esportes (foto), os jovens peregrinos poderão assistir a Missa, shows de música, catequese, exibições de arte e até filmes – tudo em inglês e grátis.

Brasil em Madri: segundo os Jovens Conectados, o Brasil conta com mais de 10.000 jovens inscritos e a CNBB vai até enviar uma delegação oficial: Continuar lendo

ONU protege mandamento divino?

Tendo Deus terminado no sétimo dia a obra que tinha feito, descansou do seu trabalho.  Ele abençoou o sétimo dia e o consagrou, porque nesse dia repousara de toda a obra da Criação.

O mandamento divino diz que devemos santificar o domingo e guardar os dias santos. A lei antiga, mais especificamente, manda:

Lembra-te do dia do Sábado para o santificar. Durante seis dias trabalharás e farás todos os trabalhos. Mas o sétimo dia é sábado do Senhor teu Deus. Não farás nele nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho ou tua filha, nem o teu servo nem a tua serva, nem o teu gado, nem o estrangeiro que vive em tua cidade. Porque em seis dias o Senhor fez o céu e a terra, o mar e tudo o que eles contêm: mas ao sétimo diz descansou. Por isso o Senhor abençoou o dia de sábado e o consagrou.

Mas o que isso tem a ver com a ONU? Continuar lendo

Tecnologia: verdade aterrorizante

A tecnologia é um bicho-de-sete-cabeças para aqueles que não acompanharam os avanços tecnológicos das últimas décadas. É verdade que a maioria das pessoas que você encontra na Net são jovens com menos de 30 anos. Aterrorizante? Não.

Então o que é aterrorizante?

Alguns podem questionar se a tecnologia não  estaria nos afastando de Deus. Existem muitas coisas que podem nos afastar de Deus. Geralmente damos a isso o nome de pecado: resultado do desequilíbrio, do uso desregrado que fazemos delas. Mas não sou a pessoa mais capacitada para dizer o que é ou não pecado. Tem dúvida? Procure seu confessor.

A Igreja não tem medo do novo, prova disso foi o encontro de bloqueiros no Vaticano em maio deste ano. O Vaticano tem faz tempo um canal no YouTube, o site do Vaticano foi re-desenhado recentemente, e vem mais novidade por aí.

Chesterton também não teria reservas afinal, ele sabe que a Fé sempre sobrevive:

“A Cristandade sofreu uma série de revoluções e em cada uma delas houve a morte do Cristianismo. O Cristianismo morreu e ressuscitou tantas vezes porque possui um Deus que sabia o caminho para fora do sepulcro. O primeiro fato extraordinário que marca a história é este: a Europa foi virada de cabeça para baixo repetidas vezes; e no final de cada uma dessas revoluções, no seu topo, sempre se encontrou a mesma religião. A Fé está constantemente transformando as épocas, não como uma religião velha, mas como um religião nova.”

Transformar, converter nossa época. Essa transformação, essa conversão é possível através da evangelização. O que pode parecer aterrorizante é que somos chamados pelo papa, todos nós, jovens, e não tão jovens assim (como é o meu caso), a participarmos da nova evangelização na era digital. E, da mesma forma que não podemos ignorar esse chamado, não podemos ignorar a nova tecnologia.

Mas tem muita gente que nem escrever um e-mail sabe? Meu próprio pai é um deles, ele não sabe nem mesmo usar os contatos do celular, pior, ele não sabe sequer usar o celular… simplesmente não lhe entra na cabeça.

Daniel H. Wilson, autor do livro Hobopocalypse, escreveu recentemente num artigo para o Wall Street Journal:

“Mark Zuckerberg não criou o Facebook para pessoas com filhos e hipotecas imobiliárias. A tecnologia é criada pelos jovens, para os jovens… Os jovens se adaptam rapidamente às coisas mais absurdas.

Pense na rede social Foursquare, onde as pessoas não só anunciam voluntariamente a sua localização, mas ganham patetas condecorações virtuais por isso. Meu primeiro instinto foi ignorar o Foursquare – pelo resto da minha vida, se preciso for.

E é este o problema. Conforme envelhecemos, o processo de adaptação diminiui consideravelmente…

“E daí?” você pode perguntar. Esses jovens podem ficar com sua preciosa Internet.

Eu não estou dizendo que você precisa se atualizar. Mas a partir do momento que você escolhe parar de se desenvolver, seu mundo começa a encolher. Você será capaz de se comunicar com um número menor de pessoas, especialmente os jovens.”

A nossa meta deveria ser viver o nosso dia-a-dia da mesma forma que Santo Agostinho:

“Corrigir os indisciplinados, confortar os pusilânimes, amparar os fracos, refutar os opositores, precaver-se dos maliciosos, instruir os ignorantes, estimular os negligentes, frear os provocadores, moderar os ambiciosos, encorajar os desanimados, pacificar os litigiosos, ajudar os necessitados, libertar os oprimidos, demonstrar aprovação aos bons, tolerar o maus e [ai de mim!] amar a todos.”

Para isso eu preciso de tecnologia? Depende de com quem você deseja se comunicar.

E aqueles que se encontram isolados, quer porque não conseguem acompanhar o desenvolvimento tecnológico ou porque se encontram em regiões onde é impossível o acesso às novas tecnologias?

Encontrei respostas nas palavras de nosso querido papa:

“Quando já ninguém me escuta, Deus ainda me ouve. Quando já não posso falar com ninguém, nem invocar mais ninguém, a Deus sempre posso falar. Se não há mais ninguém que me possa ajudar – por tratar-se de uma necessidade ou de uma expectativa que supera a capacidade humana de esperar – Ele pode ajudar-me. Se me encontro confinado numa extrema solidão…o orante jamais está totalmente só.”

A verdade aterrorizante, na minha opinião, não é não acompanhar a tecnologia. É não ter uma vida de oração!

Esse Papa não está no gibi: Não estava!

O empresário Jonathan Lin está para lançar uma revista de gibi no estilo “mangá” cujo principal personagem é o Papa Bento XVI. O gibi será distribuído gratuitamente em Madri durante a Jornada Mundial da Juventude em agosto. São 300.000 exemplares em inglês e espanhol.

O nome da revistinha é Habemus Papam e Lin diz que os gibis serão distribuídos nas igrejas, hotéis, albergues da juventude, escolas, metrô, aeroporto, quiosques de informação, atrações turísticas e eventos.

Lin tem 36 anos e é o fundador e editor do Manga Hero – uma empresa que produz revistas em quadrinhos no estilo japonês localizada em San Raphael, CA. Seus personagens são heróis e heroínas marcados pela honra, sacrifício, coragem, fé, amor e sabedoria.

“Nós quisemos usar “mangá” como uma ferramenta para mostrar para a juventude e para o mundo que a Igreja não tem medo da modernidade e nem da cultura em evolução. Ela não tem medo de usar, neste caso, os novos e atraentes tipos de mídia que permitem a conexão com os jovens no seu próprio ambiente.”

Ele notou que o Papa João Paulo II tinha pedido que fossem utilizadas novas formas de meios de comunicação que abrangessem os jovens, a fim de se construir uma “cultura de amor e dignidade”, e a “mangá” é este meio.

A revistinha terá 32 páginas, e os personagens ajudarão a contar a história de Bento XVI, um papa que ele diz ser “amável, sábio e muito inteligente e que se preocupa muito com o seu rebanho“.

Lados opostos. Compare o Habemus Papam desse jovem com o do cineasta Nanni Moretti. Compare e analise a forma diferente como exploram o tema. Perceba a diferença de objetivos a serem alcançados.

Eu assisto muitos filmes, mas sempre curtia os gibis na minha juventude. Resta saber quem será mais bem sucedido. Eu sei pra quem vou torcer.

Summorum Pontificum: Entrevista exclusiva de Mons. Guido Pozzo

Graças à gentileza de Christiano Oliveira, reproduzo aqui a tradução que ele fez (cf. ele, um pouco apressada e sem correções) de uma entrevista exclusiva de Monsenhor Guido Pozzo, secretário da Comissão Pontifícia Ecclesia Dei, em francês, ao Nouvelles de France

O monsenhor esclareceu, recentemente, sobre a participação de mulheres “acólitas” na Forma Extraordinária da Liturgia, notícia que pode ser lida aqui.

E como eu não sei mais nada do idioma francês, não me atrevo a alterar uma vírgula que seja. E pensar que na escola a professora de francês exigia que nos levantássemos quando ela entrava na sala de aula para rezarmos juntos o Notre Pére. Minha memória virou jiló!!!

Sem mais delongas… Continuar lendo

Liturgia: Monsenhor esclarece: não é permitido o serviço de mulheres

Esclarecimento de Monsenhor Guido Pozzo sobre a participação de mulheres “acólitas” na liturgia extraordinária.

Em carta da Comissão Pontifícia Ecclesia Dei,  datada em 29 de maio de 2011, o monsenhor esclare o significado do parágrafo 28 da Instrução Universae Ecclesiae sobre a aplicação Carta Apostolica Summorum Pontificum. O parágrafo UE28 diz:

Outrossim, por força do seu caráter de lei especial, no seu próprio âmbito, o Motu Proprio Summorum Pontificum derroga os textos legislativos inerentes aos sagrados Ritos promulgados a partir de 1962 e incompatíveis com as rubricas dos livros litúrgicos em vigor em 1962.

Traduzo as palavras do monsenhor:

A este respeito, a Carta Circular da Congregação para a Doutrina da Fé e Disciplina dos Sacramentos de 1994 (cf. Notitiae 30 [1994] 333-335) que admitia mulheres e meninas ao serviço do altar, não se aplica à Forma Extraordinária.

Abaixo, a cópia da carta. Continuar lendo

O significado de tolerância

Tolerância: uma palavra bastante em moda. Ela é equiparada à “mente aberta” e vem acompanhada de respeito humano. 

Voltaire (1694-1778), quando escreveu sobre tolerância, disse que já que somos todos cheios de fraquezas e de erros, devemos perdoar mutuamente as nossas obscenidades; que essa é a primeira lei da natureza.

Mas o que é tolerância?

Como Voltaire queria destruir o cristianismo, prefiro refletir sobre o “Apelo à intolerância” do arcebispo Fulton Sheen. Continuar lendo

Cidadania e consciência

consciência?

Os acontecimentos ao redor do PLC 122 e as respostas dos vários setores da sociedade brasileira: uma reflexão sobre o significado de democracia, liberdade de consciência e liberdade de expressão.

Existe muita confusão sobre esse projeto de lei e tem muita gente falando bobagem. Alguns acham que existe um certo exagero por uma parte da população, e clamam por bom senso e equilíbrio. O problema é quando isso passa a ser confundido com o politicamente correto. Continuar lendo

Era digital: 7 razões de Bento XVI para interagir online

Este ano foi testemunha da influência de ferramentas tipo Twitter como meio de comunicação eficaz em países onde a censura tentava impedir o burburinho de uma revolução. Em muitos desses lugares, é a Internet que possibilita atualmente a divulgação dos fatos como e quando eles acontecem.

O que fazer quando o jornalismo local é vendido ou sequestrado pelos interesses de uns poucos, quando fica impossível formar opinião e tomar decisões baseadas em fatos reais, e onde o medo ou o conformismo paralisa e cala a voz de muitos?

O Papa Beato João Paulo II viveu numa época de perseguição, conheceu a que ponto a crueldade humana é capaz de chegar, e por isso mesmo sua mensagem “Não tenhais medo!” é de um peso enorme. Tanto que muitos reconheceram sua influência no mundo e conspiraram para calar sua voz. Ele continuou, sem medo, sendo um catalisador da comunicação da verdade, até o fim. E não era de se esperar menos de um santo.

Não me esqueço da última vez que ele apareceu em público, numa espécie de janela para o jardim das oliveiras, onde era quase palpável sua angústia por não mais ser capaz de se comunicar com aqueles que ele tanto amou. Continuar lendo